Domingo, 27 de Novembro de 2022 11:37
82 993338984
Meio Ambiente Senado Federal

Na COP 27, senadores defendem sustentabilidade e protagonismo do Brasil

A 27ª Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas (COP 27) teve início no dia 6 de novembro, em Sharm El Sheikh, no Egito, e vai terminar...

17/11/2022 17h15 Atualizada há 1 semana
Por: Colaboração para o Jornal Online Alagoas Fonte: Agência Senado
Senadores reuniram-se com o presidente eleito, Luia Inácio Lula da Silva, na COP 27, para discutir ações de combate ao desmatamento - Reprodução Instagram
Senadores reuniram-se com o presidente eleito, Luia Inácio Lula da Silva, na COP 27, para discutir ações de combate ao desmatamento - Reprodução Instagram

A 27ª Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas (COP 27) teve início no dia 6 de novembro, em Sharm El Sheikh, no Egito, e vai terminar nesta sexta-feira (18). Além do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, outros 12 senadores também participaram do evento. A defesa do desenvolvimento econômico sustentável, a importância da energia limpa, a preservação florestal e a percepção de que o Brasil será protagonista da pauta ambiental no mundo foram os destaques da participação dos senadores no evento.

Em sua conta no Twitter, Rodrigo Pacheco afirmou que o Senado está comprometido “com as questões climáticas e com o desenvolvimento econômico sustentável”. Segundo ele, as questões ambientais são temas “que só podem andar para frente, não mais andar para trás”. Pacheco ainda disse que “conciliar a sustentabilidade e o desenvolvimento econômico é possível e é necessário”. Conforme relatou o presidente, foi possível perceber, em vários encontros da COP 27, “o desejo que o Brasil retome o protagonismo internacional de nação desenvolvida protetora do meio ambiente”.

Também por meio do Twitter, o senador Alessandro Vieira (PSDB-SE) disse que, em sua participação na COP 27, procurou se concentrar “em como podemos colaborar, no Senado, para que tenhamos a legislação adequada às ações que precisam ser implementadas para que nosso país seja referência global em economia de baixo carbono”. Na visão do senador, “é urgente termos segurança legislativa para que o mercado de carbono possa crescer no país e impulsionar o investimento em inovações tecnológicas, na bioeconomia e energias limpas”.

A senadora Daniella Ribeiro (PP-PB) definiu como “intenso” o seu trabalho na COP 27. Em sua conta no Twitter, ela disse que “as reuniões parlamentares trazem temáticas como desenvolvimento sustentável, transferência de tecnologia para países em desenvolvimento e mais vulneráveis e a necessidade de aumentar as metas de redução de emissões de gases de efeito estufa”. A senadora Eliane Nogueira (PP-PI) informou que participou de debates sobre energia verde, tecnologias de baixo carbono e sobre o Acordo de Paris. “O Brasil tem grande potencial na geração de energia 100% renovável, como eólica, solar e biomassa; somos capazes de investir no futuro sustentável do país”, registrou.

Amazônia

A preservação da floresta amazônica também foi tema de vários debates durante a COP 27. Os senadores Veneziano Vital do Rêgo (MDB-PB) e Giordano (MDB-SP) participaram de uma reunião do Consórcio Amazônia Legal — que representa nove estados que integram a região Amazônica Brasileira.

Em suas redes sociais, Giordano registrou que “todos sabemos da importância da Amazônia para o Brasil e para o mundo, e nosso estado de São Paulo também pode contribuir no crescimento e preservação da região, com estratégias de desenvolvimento que darão mais qualidade de vida ao povo, sempre respeitando o meio ambiente”. Para o senador, “respeitar a natureza com responsabilidade ambiental e social é investir no progresso brasileiro”.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) também participou de debates sobre a Amazônia. Segundo o senador, foi importante mostrar ao mundo "o compromisso do país com esta e com as futuras gerações". De acordo com o senador Sérgio Petecão (PSD-AC), a COP27 “tem se mostrado uma iniciativa importante para elevarmos essa discussão para um nível mais avançado”. Ele disse que “o fundamental é mostrar para outros países a realidade das pessoas que moram na Amazônia”.

O senador Fabiano Contarato (PT-ES) relatou que participou do painel Brazil Climate Action Hub, sobre iniciativas parlamentares e populares para a redução de emissões por desmatamento no Brasil. Ele disse ter denunciado a ocupação irregular de terras públicas na Amazônia Legal e afirmou que o “Estado brasileiro permite e convalida o desmatamento”.

— Zelar pela preservação do meio ambiente e pela conservação dos povos tradicionais significa debater as oportunidades que se abrem para o Brasil na exploração da floresta em pé — ressaltou o senador, em texto divulgado por sua assessoria.

Destaque

Para alguns senadores, a mudança de governo a partir de janeiro, com a posse de Luiz Inácio Lula da Silva, pode dar destaque ao Brasil na agenda mundial do meio ambiente. Para Renan Calheiros (MDB-AL), a COP 27 foi o “primeiro palco para mostrarmos ao mundo que o Brasil mudou e irá recuperar sua credibilidade e relevância nos debates importantes".

O presidente da Comissão de Meio Ambiente (CMA), senador Jaques Wagner (PT-BA), participou da reunião do Observatório Parlamentar de Mudanças Climáticas e Transição Justa. Esse painel foi uma iniciativa conjunta da CMA e da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal-ONU). Para o senador, a COP 27 representou a oportunidade de bons contatos para o Brasil. Ele ainda disse esperar “uma virada na política ambiental”, a partir de 2023.  

A senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) também participou da Conferência. Na avaliação da senadora, “o Brasil vai retomar nos anos que virão o protagonismo histórico na proteção dos recursos naturais e das nossas riquezas”. Para ela, a expectativa é muito grande de retomada do protagonismo brasileiro no setor, pois “os dias de desmonte ficarão para trás”.

— Depois de anos de desmonte na governança ambiental, o Brasil voltará a ter uma posição de destaque na preservação do meio ambiente e no desenvolvimento sustentável. O mundo quer voltar a negociar com o Brasil — destacou.

Na visão do senador Jean Paul Prates (PT-RN), a principal prioridade da participação brasileira na COP 27 é restaurar os compromissos definidos em conferências anteriores. Assim, acrescentou o senador, será possível liderar efetivamente a transição energética mundial e, ao mesmo tempo, conter o desmatamento e desacelerar o aquecimento global.

— Acreditamos na liderança pelo exemplo que o Brasil já deu e estamos prontos para resgatá-lo como líder — declarou Jean Paul.

 

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.