Terça, 18 de Junho de 2024
23°C 27°C
Maceió, AL
Publicidade

Senado vai analisar prazo de adesão ao Programa de Regularização Ambiental

A MP 1.150/2022 é uma medida provisória que amplia o prazo para que proprietários rurais e posseiros peçam adesão ao Programa de Regularização Ambi...

31/03/2023 às 16h40
Por: Colaboração para o Jornal Online Alagoas Fonte: Agência Senado
Compartilhe:
A medida provisória que amplia o prazo para que proprietários rurais e posseiros peçam adesão ao programa já foi aprovada na Câmara - Jorge Etecheber/SESC-SP
A medida provisória que amplia o prazo para que proprietários rurais e posseiros peçam adesão ao programa já foi aprovada na Câmara - Jorge Etecheber/SESC-SP
A MP 1.150/2022 é uma medida provisória que amplia o prazo para que proprietários rurais e posseiros peçam adesão ao Programa de Regularização Ambiental. A MP foi aprovada na Câmara dos Deputados com modificações nesta quinta-feira (3) e agora caberá ao Senado analisá-la. Inicialmente, a medida provisória previa um prazo de 180 dias contados a partir da convocação pelo órgão ambiental competente — o que já representava uma prorrogação em relação à Lei 12.651, de 2012. As alterações feitas na Câmara ampliaram ainda mais o prazo: um ano contado da convocação. Essa medida provisória foi editada em dezembro, ainda no governo de Jair Bolsonaro. Alterações da Câmara O texto aprovado na Câmara incluiu várias modificações, feitas por meio de emendas. Uma delas, do deputado Rodrigo de Castro (União-MG), muda a Lei da Mata Atlântica para, entre outros objetivos, permitir o desmatamento quando ocorrer implantação de linhas de transmissão de energia elétrica, gasoduto ou sistemas de abastecimento público de água, sem necessidade de estudo prévio de impacto ambiental (EIA) ou compensação de qualquer natureza. Além disso, dispensa a captura, a coleta e o transporte de animais silvestres, garantindo apenas sua afugentação. Uma outra emenda, do deputado Leo Prates (PDT-BA), dispensa zona de amortecimento e corredores ecológicos em unidades de conservação, quando elas estiverem situadas em áreas urbanas definidas por lei municipal. Também foi aceita uma emenda do deputado João Carlos Bacelar (PL-BA) sobre rios urbanos. Ela prevê a dispensa de consulta — a conselhos estaduais e municipais de meio ambiente — para a definição do uso do solo em faixas marginais ao longo de qualquer corpo hídrico. O relator da matéria na Câmara foi o deputado Sergio Souza (MDB-PR). Críticas Os deputados Tarcísio Motta e Chico Alencar, ambos do PSOL do Rio de Janeiro, criticaram a proposta. Tarcísio Motta disse que "esses adiamentos ocorrem porque não é de interesse dos proprietários rurais a resolução do passivo ambiental". Chico Alencar, por sua vez, afirmou que "a política do ‘facilitarium’ não é neutra e obedece a interesses, e há de se lamentar a aceitação de emendas que afetam a preservação da Mata Atlântica". Com Agência Câmara
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.