Terça, 07 de Fevereiro de 2023
22°C 28°C
Maceió, AL
Publicidade

Governo do Estado promove ações de representatividade do Afropunk Bahia

Em sua segunda edição na capital baiana, o evento conta com dois palcos e uma programação com mais de 30 shows de artistas nacionais e internaciona...

26/11/2022 às 22h35
Por: Colaboração para o Jornal Online Alagoas Fonte: Secom Bahia
Compartilhe:
Foto: Antonio Queirós/GOVBA
Foto: Antonio Queirós/GOVBA

Começou neste sábado (26), no Parque de Exposições, em Salvador, o maior festival e movimento global de cultura negra do mundo, o Afropunk Bahia 2022. O Governo da Bahia está presente no evento através de um espaço onde estão sendo promovidas ações que fortalecem a cultura negra e oferecem maquiagem e pinturas étnicas, amarração de turbantes, além de serviços do entretenimento digital com a câmera de 360 graus. O espaço fica logo após a entrada do evento, pelo acesso da Avenida Paralela.

“Espaço maravilhoso, representa totalmente a festa. E eu, que vim me achando sem nada, agora estou me achando incrível, no clima do festival”, disse a chefe de cozinha Bianca Oliveira, que escolheu fazer um turbante para valorizar seu penteado com tranças box braids.

Foto: Antonio Queirós/GOVBA
Foto: Antonio Queirós/GOVBA

Em sua segunda edição na capital baiana, o evento conta com dois palcos e uma programação com mais de 30 shows de artistas nacionais e internacionais. A primeira noite trouxe apresentações de nomes como Masego, Black Pantera, Emicida, Liniker, Psirico e Margareth Menezes, que convidou a Didá. “Isso fortalece, também, a cena da cidade, tem uma galera nova fazendo coisas incríveis e eu acho que Salvador cabe exatamente o Festival Afropunk”, declarou Margareth.

Neste domingo (27), se apresentam Ludmilla, A Dama, com participação de MC Carol, Attooxxá e Karol Conká, Baco Exu do Blues, Mart’nália e Larissa Luz convidam Nelson Rufino, Ministereo Público, entre outras atrações locais e nacionais. A grade completa pode ser conferida pelo perfil do festival no Instagram @afropunkbahia.

Antes de se tornar um festival, o Afropunk surgiu como um movimento cultural, que tinha como propósito ser resistência dentro de uma comunidade punk rock dominada por pessoas brancas. O lançamento do documentário Afro-Punk (2003), dirigido por James Spooner, foi um pontapé inicial para o movimento.

Repórter: Lina Magali

Foto: Reprodução/Secom Bahia
Foto: Reprodução/Secom Bahia
  • Foto: Reprodução/Secom Bahia
    Foto: Reprodução/Secom Bahia
  • Foto: Reprodução/Secom Bahia
    Foto: Reprodução/Secom Bahia
  • Foto: Reprodução/Secom Bahia
    Foto: Reprodução/Secom Bahia
  • Foto: Reprodução/Secom Bahia
    Foto: Reprodução/Secom Bahia
  • Foto: Reprodução/Secom Bahia
    Foto: Reprodução/Secom Bahia
  • Foto: Reprodução/Secom Bahia
    Foto: Reprodução/Secom Bahia
  • Foto: Reprodução/Secom Bahia
    Foto: Reprodução/Secom Bahia
  • Foto: Reprodução/Secom Bahia
    Foto: Reprodução/Secom Bahia
  • Foto: Reprodução/Secom Bahia
    Foto: Reprodução/Secom Bahia
  • Foto: Reprodução/Secom Bahia
    Foto: Reprodução/Secom Bahia
  • Foto: Reprodução/Secom Bahia
    Foto: Reprodução/Secom Bahia
  • Foto: Reprodução/Secom Bahia
    Foto: Reprodução/Secom Bahia
  • Foto: Reprodução/Secom Bahia
    Foto: Reprodução/Secom Bahia
  • * O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
    500 caracteres restantes.
    Comentar
    Mostrar mais comentários